Palavras

 

 

Todos os dias as palavras

caem

aos trancos e carícias do vento

leves, são como as plumas cingidas por um ar de acaso

vão a grandes alturas e percorrem longas distâncias  

e quando pesadas

são recolhidas pela terra

num último e sólido abraço

 

as boas sementes germinam

as boas cascas evaporam

as boas pedras se deixam ficar

tudo é bom, posto que não existe palavra má

 

as palavras que existem desde o primeiro dia da primeira noite

antes de o homem se fazer do verbo

palavras que vão ainda existir depois do homem

vêm de Deus?

 

as palavras caem sobre os homens em forma de poesia

– mas isso que digo

não é absolutamente meu, tem

mais som e mais cor que diria

se o ar fosse meu –

e caem em forma de história que os homens inventam

sem o compromisso com a vida firmada no cotidiano

são como fagulhas que incendeiam florestas secas

e depois tocam sirenes, bombeiros e águas

para apagar a desordem e organizar a floresta de verdes outra vez

pois as palavras são agitos e são urgências

são setas e são fluxos

são as doenças que abatem os homens

e depois a cura que os anima

são os mitos que nos significam

são enigmas

e são nossas fantasias

e nossos segredos

e por onde nos descobrimos seres

conscientes

criadores de mundos

 

o mérito do homem é ter olhos de as recolher

e ordenar como caem

soltas

não pertencem aos homens as palavras

apenas essa capacidade de as enfileirar

em conchas de barro 

num volátil cordão de existência.

 

(Juçana Corrêa)

Anúncios

2 comentários sobre “Palavras

  1. Adi, poesia se aprende a fazer fazendo, com muito labor e ainda maior humildade, seguindo aos mestres… acho que essa minha poesia – estava pensando nisso – tem muito de Octavio Paz e de Eugênio de Andrade, que são dois monstros da minha imaginação… foi o Casimiro de Brito que disse, em uma poesia sua e que já publiquei aqui no blog, de que poesia “escreve-se copiando os mestres”.

    Obrigada! :)

    Fica de olho, tocante como o Geni e o Zepelim do Chico, vou publicar em seguida uma de Neruda…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s