Maresia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A palavra que subiu com o vento

 
era água
 

No calor do verão

 
caiu sobre o mar
 

A palavra sal que riscou o horizonte

 
de mil tracejados verticais
 

Peixes de prata

 
presos da rede dourada
 

Os corpos vazios e retos

 
em busca de ar e alimento
 

até que ao fundo se deixam dobrar

 

A palavra abissal

 
que a nenhum elemento sucumbe
 

O mais humilde dos elementos

 
que a tudo penetra e desmancha
 

A palavra que ao mais baixo procura

 
ao mais torto se adapta
 

e depois os adoça

 
A palavra que dissolve o sal
 

acorda o ar

 

e se entranha nas asas dos pássaros

 

A força índia que com as gaivotas voa

 

no seio das areias pousa

 
e ali deixa sua marca
 

A palavra líquida

 

Sem forma

 

Capaz de assumir todas as formas

 
Mais forte que o verão
 

Metamorfose do Tempo

 

Cura da Matéria

 
Cria da alma feiticeira do homem
 

que o absorve

 

e exala

 
A palavra xamâ

 

 

 

 

(Juçana Corrêa)

PS:- Feliz 2013! :)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s