Entre a Brisa e o Furacão

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Vento que traz a folha

Leva o galho

Arranca a árvore

Faz mais forte: arranca esse chão

 

Nada deixe em seu lugar:

Mude o velho

 

Ventania

Irada:

 

– Quem te encara?

 

Vento que faz o homem fechar os olhos na areia

Corre e solta a pipa com o menino

Por isto liberto se acredita

Criador de ondas

Mas está preso

Às formas sem formato

 

– Nem te apercebes?

As ondas no mar

O mar no planeta

O planeta no Sistema

 

O Sistema manifesto na folha

A folha solta entre os elementos

Todos presos entre quatro elementos?

 

O ar se movimenta e cria vento

– Mas o ar quem movimenta?

 

E entre a brisa e o furacão

As mil eternidades

Provisórias

 

E pontos no tecido se vendo em seres

Mandam notícias

– Mas quem no universo escuta?

 

Inquieto

O vento se isola:

 

Varre o cisco

Atiça o fogo

Suja a água

 

Pensa: seus pensamentos livres: invenção

Sente: sua atmosfera de liberdade: ficção

 

Paralelo a outro ser

Na rede

Oculto

Mal se percebe

 

Entretanto algo (quem?) geme

Grita no furacão

 

– E quem ouve?

 

Entretanto

 

(antes da derradeira transformação)

 

Os perfumes

Os espelhos

 

As vaidades

 

A brisa verde

 

 

 

 

Juçana

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s