Singular

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Digo mesa

e um gosto de floresta me invade a boca

Depois, comunico a minha decisão ao outro

 

Antes, ele pensa no objeto a dispor: utilitário

descartável, branco

– não a mesa à qual me refiro: histórica, única

Depois, no seu esforço por entrar num acordo

ele me fala de uma suposta mesa abstrata

genérica, plural

Em teoria, a mesa de toda a humanidade

mas por isso indiferente à nossa dor

 

Eu ouço tudo e em nada discordo,

o que não quer dizer que concorde

 

Repito mesa

e ele de longe me chama para sua paisagem franca e luminosa

Mas ouço no escuro do poema a explosão de notas amadeiradas

e um gosto de floresta me invade a boca

 

Digo mesa e ele repete – mesa

Entre nós o abismo intransponível das palavras que dispomos

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s